sexta-feira, 20 de maio de 2011

O SILÊNCIO DOS CULPADOS E O GRITO DOS INOCENTES!

Praticamente todos os dias revejo no canal Viva a “Escolinha do Professor Raimundo.” Um programa humorístico do início dos anos 90 que tem no personagem do professor Raimundo, interpretado pelo Chico Anysio, uma verdadeira crítica sobre o triste cenário do magistério no Brasil daquele momento. E, tristemente, passados mais de 20 anos, percebemos que o tratamento dispensado ao professor no Brasil pouco modificou. Ao contrário, maiores responsabilidades recaíram nos ombros dos docentes. Mas, de maneira inversamente proporcional, a sua valorização não acompanhou o aumento das responsabilidades impostas e as práticas mundanas de corrupção não diminuíram, fazendo com que os brasileiros acreditem cada vez menos em nosso sistema educacional.

Esta semana, acompanhando os noticiários na TV e na internet, duas situações me chamaram a atenção sobre o tema educação: uma foi a fala de Alexandre Garcia no programa matinal Bom dia Brasil e a outra, de uma professora do Rio Grande do Norte em uma Audiência Pública sobre o cenário atual da educação no estado.

Alexandre Garcia fez duras críticas aos “sabotadores da educação no país”. E comentou com muita propriedade os problemas de desvio de verba da merenda escolar e a distribuição aos alunos de alimentos com os prazos de validades vencidos. Um verdadeiro descaso dos governantes para com os alunos. E como o próprio Alexandre Garcia diz “a educação se deteriora como a merenda”.



video
             Alexandre Garcia no Bom dia Brasil - 09.05.2011

É por essas e outras que continuamos afirmando que o sistema educacional em nosso país é um caso sério. Já escrevi sobre o assunto em meu blog. Um argumento reforçado através do pronunciamento da professora do Estado do Rio Grande do Norte, Amanda Gurgel, o qual representa a duríssima realidade vivida pelos demais colegas nas outras federações do país e complementa a seriedade vivenciada por todo um sistema educacional.

video
              Pronunciamento da professora Amanda Gurgel

A professora Amanda foi aplaudida pela plateia e deixou deputados, secretária de educação e promotores em silêncio. 

A meu ver, um silêncio doloroso que indica um cenário de pouquíssimas mudanças nas condições de trabalho dos docentes brasileiros. Assim, ainda permanecerá atual a frase dita pelo professor Raimundo ao final de cada programa: “E o salário, ó!”


25 comentários:

  1. Metendo minha colher no assunto! Há mais de 50 anos ouço falar do baixo salários de professores! E chego à conclusão: Tem alguma coisa errada aí! Ou são os professores ou é o Governo! Explicando melhor: Quando eu trabalhava há alguns anos numa empresa, e começa a reclamar do salário com os colegas, tinha um que me dizia: - Não estás satisfeito? Pede demissão! E depois concluí que ele estava coberto de razão! 50 anos reclamando de baixos salários? Por favor! Peçam demissão e vão fazer outra coisa!
    Todo mundo sabe que a base de um País próspero e saudável é a educação do seu povo! E eu me perguntava? Será que nossos políticos não vêem isso? Minha ficha caiu algum tempo depois! Políticos não tem interesse na educação do povo! Povo educado tem discernimento e deixa de ser massa de manobra! Povo educado não se vende por um "santinho", sandália de borracha, cestas-básicas, vale-gás e etc etc!!!
    Então, professores! Está na hora de cair a ficha de vcs! Peçam demissão e vão fazer outra coisa mais lucrativa! E o País? perguntarão alguns! Dane-se o País!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado LandNick
      As 'mazelas' que vive o nosso país atualmente, reputo-as aos professores que nos últimos 40/50 anos vêm defendendo, divulgando o comunismo/socialismo e outros ismos do esquerdismos como solução para todos os problemas da humanidade.
      No entanto, recentemente, eles tiveram 'um trôco' adequado vindo dos governadores da Bahia, Rio de Janeiro e outros estados que não lembro o nome no momento em querer 'barrar' a lei do teto salarial para os professore.

      Bem feito para "elles", professores! Continuem lutando e defendendo estas ideias de ditadura do proletariado e verão o que irá acontecer não só com vocês, mas com todo o país.

      Vide Cuba. Era para ser "o paraíso terrestre" mas quem conhece Cuba - a Cuba que me refiro não é aquela que os visitantes e turistas conhecem, é aquela Cuba que não aparece para o estrangeiros! - verão que é um verdadeiro inferno na terra. E não me venham culpar os americanos e outros de países por embargos comerciais, isso não!

      Excluir
  2. Landnick,
    Por esse raciocínio, deveria haver pedido de demissão coletiva de médicos/as, bombeiros, policiais,etc.
    Podem virar modelos, ou jogadores de futebol, não?
    Desculpe, discordo radicalmente disso. Acho que há um embate político q o país precisa fazer, ainda q os resultados sejam obtidos em um século.

    ResponderExcluir
  3. Meu bravo LandNick. Sou professor e infelizmente sou forçado a discordar não no todo, mas em uma parte vital de seu comentário. Em primeira lugar, ser um educador é um dom e é utópico. E utopia é vc se alimentar de aspirações que dificilmente irão se realizar. Mas a utopia te leva a valorizar os pequenos avanços que são obtidos. Não posso jogar o boné e deixar meu país se esculhambar porque faço parte dele! Sou sequência dessa sociedade organicista! Ao menos que more e trabalhe no exterior, como brasileiro residente aqui que sou, preciso entender que se esse país ainda marcha com lento progresso, é porque alguns malucos utópicos se arriscam nas salas de aula do Brasil, a salário de miséria, tentando gerar mentes empreendedoras, que montarão empresas que paguem melhor, para que você ou seu filho não tenham que realmente entrar em sala. O segredo,meu caro, não é desistir! O segredo é lutar pela valorização! Algo que, forçosamente, sou obrigado a dizer, muitas vezes deixamos de fazer.

    Grande abraço

    ResponderExcluir
  4. LandNick desculpa amigo,mas tbm tenho que desgordar. Sem o professor nao tem médico, não tem delegado, não tem nenhuma profissão. Porque tds passam pelo professor.
    É por essas e outras que a EDUCAÇÃO no Brasil será smp tratada como a escolinha do Prof. Raimundo e etc.. UMA PIADA!

    ResponderExcluir
  5. Demito-me então de minha condição de cidadã para não ter de me envolver com as dificuldades da minha sociedade. As mães podem pedir demissão quando por anos e anos lutam por seus filhos drogados? Desistir? Não. Como disse o Professor Jazz "O segredo é lutar pela valorização!"

    Daiane: Mãe, Professora e cidadã.

    ResponderExcluir
  6. Arthur, o meu comentário é curto. A prof. Amanda, disse tudo que nos professores temos engasgados na garganta. Sou prof. há 24 anos e confesso que ando mto descrente e decpcionda. Futuro para a educação... talvez tenha, mas não nos padrões atuais dos nossos políticos.

    ResponderExcluir
  7. Olá! Sou mãe, jornalista,educadora ambiental.Peço licença para opinar, especialmente sobre as palavras da Professora Amanda Gurgel: aqui também: Incontestável, a realidade exposta pela professora. Que bom encontrar mestres ainda assim, indignados, a mudança só pode vir com indignação... que a onda multiplique e resulte em compromisso de todas as partes, dos gestores da educação e dos professores tb, pq alguns tem se rendido às dificuldades, e se contaminado com o desânimo. Reagir é preciso!

    ResponderExcluir
  8. Olá! Tenho 32 anos e 14 de magistério e pensei no que o nosso colega acima disse sobre pedir demissão, pensei e entendi o que o faz pensar assim, ele não é professor e desiste com facilidade, nós não, nos sentimos compromissados com milhões de crianças que não tem culpa de seus pais também serem vítimas de uma apatia geral, elegendo biltres e ficando inertes aos acontecimentos. Mas sinceramente, fora pedir demissão, eu não sei o que fazer, luto diariamente com meus alunos tentando fazer com que eles entendam que o mundo pode mudar e que eles tem sim direitos e deveres e que não precisam ficar calados, quem sabe assim, lá no futuro próximo eles sejam as pessoas que irão valorizar a educação. Devemos lutar sempre... Parabéns para a Amanda e que a Amanda que existe em nós saia e mostre o seu valor.

    ResponderExcluir
  9. Excelente post! Excelentes Opiniões, excetuando uma ideia de LandNick a meu ver...
    Perguntaria a LandNick se é realizado com o que faz? E se é *porque*? Devido ao salário ou a alegria de exercer a Profissão que escolheu, que lhe faz ter brilho nos olhos e *apesar de tudo* ainda ter orgulho de dizer Sou Professora!
    Realmente tem *algo muito errado* na visão dos Políticos e da Sociedade quando se tem uma Constituição que legitima termos políticos como Bolsanaros e Tiriricas e ganhando o que ganham!
    Sugere que o País *se dane*... E aí? O que conseguiremos se acabar a Educação no País por inexistência de professores?
    *Óbvio* que isso *nunca* ocorreria pois cada Professor que saísse, haveria no mínimo uns 50 aspirando seu lugar não?
    É fácil naturalizar e dizer *Quem não está satisfeito que saia!*
    Então pergunto *E se Eu sair *o Senhor* ou *quem* vai me ressarcir dos anos, tempo, dinheiro, dedicação e saberes que investi e continuo investindo em minha formação - ainda que a custo de muita transpiração, suor e lágrimas??
    Acaso é *facinho* assim trocar de vida?
    Só mesmo pessoas que não tem *Paixão* pelo que fazem para dizer um descalabro desses.
    Sabe, se tivesse ouvido meu pai, hoje seria advogada, economista ou bancária...
    Mas escolhi ser Professora! Mas como *PRO-FIS-SÃO* e não como benevolência.
    Não que já não tenha trabalhado e *muito* nessa vida voluntariamente, junto a conselhos e associações sem condições de pagar um profissional. Porque *me importo* com a Vida das Pessoas e desejo do fundo do coração que tenhamos melhores condições de vida para *tod@s* indistintamente!
    Aliás, se ganhasse o suficiente para tal, seria uma imensa alegria poder oferecer meus serviços de profissional para pessoas sem condições para pagar.
    De outro lado, já que o Governo e a Sociedade - em sua maioria, parecem indiferentes a situação abusiva do Profissional Professor, talvez o senhor tenha alguma razão *se* realmente *Tod@s* os professores entrassem em greve, o que sabemos que não acontece porque inúmeros não ganham apenas para o sustento próprio, mas para pagar o sustento dos filhos.
    Diante de tanta falta de consciência social e humanista mesmo, só tenho a dizer que *SOMOS MUIT@S AMANDA'S GURGEL NESTE PAÍS* e ao menos *Eu* não vou desistir de lutar pela Classe!!

    ResponderExcluir
  10. Que o discurso da professora Amanda não seja só mais um levado pelo vento, e que os politicos- que ganham horrores para envergonhar o PAÍS ao inves de trabalhar- tomem vergonha na cara e mude essa situação deploravel

    ResponderExcluir
  11. Parabéns pelo artigo Arthur! No final do ano eu termino a minha faculdade de Letras na UFU e vou para a sala de aula. Já fiz algumas disciplinas de prática de Lingua Portuguesa e de Literatura, e o que eu vejo na sala de aula é assustador. Primeiramente, todos os professores que eu conversei estão desmotivado, revendo seus planos, pensando em abandonar a sua carreira. Lógico o salário é pequeno, a profissão é desvalorizada, e transferiu TODA a responsabilidade do aluno ao professor, até a função de pai. É lamentável isso, deixo apenas um alerta aqui: os cursos de licenciatura em todo o Brasil em toda a faculdade está diminuindo. Se o Governo brasileiro não tiver prioridades no sistema educacional, daqui a 30 anos vai faltar professor, isso é fato. Depois será tarde.

    ResponderExcluir
  12. Amo minha profissão, no entanto, a minha frustração, que é coletiva, é assistir ao descaso de nossos gestores. Sem uma educação de qualidade não há desenvolvimento, não há justiça, não há paz, não há. Mas precisamos ser firmes, persitentes, sem perder a ternura jamais pelo ato do ensino e aprendizagem!

    Rejane Souza

    ResponderExcluir
  13. É tão simples dar o primeiro passo contra a corrupção, tem muitos prefeitos ai de interior que enriquece na cara de pau mesmo. O problema está na burocracia do mal costume de não derrubar "reis", no dia que o governo se interessar em parar de alimentar a corrupção vai sobrar dinheiro até pra pedir bis na merenda.

    ResponderExcluir
  14. Confesso gostei muito da coragem da garra e sabedoria dessa professora.ultimamente tenho vergonha de ser brasileiro,o nosso pais tem sido ,opais dos canalhas,dos mal carater,dos trapasseiros ,dos bandido,dos politicos atolados em corrupção.pgam um miseravel salario para os professores,para os policiais,como tenho saudades da ditadura ,naquele tempo jose dircel,fernando collor ,acho que 90% dos politicos iam ser extraditados.tenho nojo ,cuspo em sima desse pais ao qal os politicos fiseram eu ter nojo dele .POIS AGORA VIVEMOS NA DITADURA POLITICA

    ResponderExcluir
  15. A luta dos professores tem que seguir, embora os resultados sejam pequenos ou até mesmo inexistente. Os resultados positivos seria então um sonho? Utopia? ou enfim uma realidade? será que viverei para presenciar algo de bom na Educação? ou sou mais uma que jamais desfrutará de algo INÉDITO no Brasil.

    ResponderExcluir
  16. O seu texto completa nossas falas. Digo nossas me referindo a mim, a Amanda e de tantos educadores por este Brasil a fora, tantos educadores como os q estão em Feira de Santana, em estado de greve com aumento de 5,9; plano de carreira no lixo; merenda escolar que nunca chega e por fim são comparados como meros meios, tais como o giz, paredes e etc.

    Se eu pudesse voltar no tempo, eu voltaria e não seria educadora, pois ninguém nos representa e sendo assim o nosso discurso será o mesmo daqui há 5, 10, 15 e 20 anos.

    É triste, mas só tenho vontade de desistir...

    ResponderExcluir
  17. SOU PROFESSORA HÁ 13 ANOS. E SÓ QUEM TEM VERDADEIRO COMPROMISSO COM A EDUCAÇÃO É QUE SABE O VALOR DE CADA PALAVRA DITA POR ESTA GRANDE CIDADÃ. PARABÉNS AMANDA GURGEL !!!

    ResponderExcluir
  18. Eu concordo com todos e o que mais me dói é quando vejo nos noticiários que algum professor foi espancado por algum aluno e ninguém faz nada porque a lei ampara tais "crianças".

    ResponderExcluir
  19. tenho apenas 17 anos e sou estudante,corcordo com tudo que a amanda gurgel disse,estou no 3° ano do ensino médio e esse ano é o ano que presto vestibular e tenho o compromisso de escolher qual curso prestar,dentre minhas opções estaria ser professora de arte,mas infelismente não quero mas por conta descaso com professores no brasil,me desanimei seguir essa profissão,admiro muito a profissão de educador,professor, e acho que é uma profssão que deveria ser mais respeitada,acho um vergonha um professor trabalhar 3 turnos,receber 930,00 e um deputado ganhar 26.0000,isso 930,00 reais é o eles pagam por aulas dadas,eles não pagam as unicas horas livres que o professor tem que ficar,formundo prova,trabalho,atividades corrigindo provas trabalhos,etc.enfim se eu fosse dizer tudo o que eu penso desse descaso com os professores acabaria escrevendo um livro,só queria dizer aqui que só a favor de tudo que amanda gurgel disse,e queria que os professores fossem mais respeitados nesse país,porque sem eles não existiria,juízes,advogados,médicos entre outras profissões.

    ResponderExcluir
  20. Partindo do principio de que quem cala concente, creio que a professora Amanda deu um passoque se não dava a anos. Como lider estudantil a 30 anos atraz ví as queixas de Amanda Gurgel como "coisa nova" Hoje essas reclamações , para mim, tem 30 anos, mas no Brasil isso acontece dese o descobrimento! Ou seja: Promessas e mais promessas e nada de concreto em mudanças e evolução no ensino

    ResponderExcluir
  21. Essa realidade também se faz presente aqui no Rio! Foi criado aqui,pelo Governo Estadual,um Plano de Metas fajuto,que "premia" com um " bônus" professores que aprovarem mais alunos,que "tomam conta" das alunas para que elas não engravidem,entre outros absurdos.O último texto do meu blog fala disso!

    E o salário,ó!

    ResponderExcluir
  22. Sistema educacional em nosso país é um caso sério Ee FALIDO.Políticos não tem interesse na educação do povo eles ganham o máximo para envergonhar o PAÍS ao inves de trabalhar. Com estas denuncias reais vergonhosas que país é esse????Que não tem mais professores????

    ResponderExcluir
  23. Artur seu artigo é interessante e reflete o cenário da educação nesse nosso país... Amanda explicitou no plenário o que é vivenciado diariamente pelos educadores brasileiros e que deveria envergonhar a classe política. Eles fingem que se interessam por esta causa.. Infelizmente essa é uma realidade inegável! A educação é péssima e depois eles inventam as "cotas" para aliviar a consciência. Com educação de qualidade não haveria essa necessidade pois "todos" poderiam concorrer igualmente pelas vagas nas universidades. Professor merece ser respeitado, ter salário decente para viver, poder investir em cursos e que por consequência retorna como benefício.

    ResponderExcluir
  24. Alexandre Garcia fez críticas relevantes sobre o sistema educacional brasileiro a que me foi mais tocante diz que “... O sistema educacional vive de reformas quando na verdade o que deveria ser feito seria uma revolução na educação...” A muito tempo esperamos essa revolução, não obstante o governo de Lula dizer que realizou um a “super revolução na educação”, mas no levantamento do MEC de 2009 foi constatado que 1,2 bilhões de reais não chegaram aos cofres do FUNDEB ( fundo de desenvolvimento da educação básica), este mesmo dinheiro chegou até financiar propagandas políticas. A revolução que estamos vivendo é uma revolução contrária, idéia esta reforçada também pelos dados do MEC que divulgou em 2009 que os gastos anuais com os alunos caíram. O investimento na educação revolucionaria totalizaram 4,7% do PIB (produto importado bruto) enquanto países como Canadá investem 7.1; Estados unidos 6,8 e Cuba 6,7. Até parece que a verdadeira intenção da revolução é formar uma sociedade analfabeta dependente de sistemas assistencialistas.

    ResponderExcluir